quarta-feira, 3 de janeiro de 2007

Artigo no Jornal de Sesimbra (Janeiro 2007)


Um olhar atento sobre a Lagoa de Albufeira

Numa altura em que se ouve falar tanto de mau tempo e tempestades, vejam como isso afectou, também, a nossa querida Lagoa de Albufeira, local paradísiaco no Verão, mas que neste momento mais parece um pesadelo.
Os acessos à urbanização são feitos por estradas de terra, ou melhor, lama e crateras. Alguns dos requisitados acessos começaram a ser construídos junto ao mercado (espécie de rotunda), também porque ali ao lado vai nascer um novo condomínio privado, mas tudo isso está inacabado aos meses e mais uma vez, a estrada de terra batida marca presença. Qual será o motivo para que tudo ainda continue neste miserável estado? No acesso à praia, actualmente existe apenas 1 acesso que serve de entrada e saída. Se houver a necessidade de um acesso urgente à praia (ambulâncias, bombeiros, etc.) não há alternativa e isso é inaceitável.
Para juntar a tudo isto, assistimos a uma situação muito grave na praia, que é a derrocada anunciada do Restaurante Príncipe Real. Naturalmente que esta situação já se previa há algum tempo, pois os mais atentos não podiam deixar de reparar que cada vez mais a areia estava a desaparecer, literalmente, debaixo dos "pés" do edifício. Ora o tempo foi passando, ninguém fez nada e o restaurante fechou por razões de segurança. E agora? Vamos esperar que o entulho caia para dentro de água e polua a lagoa? Será que se vai fazer algo?
Infelizmente, não são apenas as “catástrofes” naturais que estão a afectar a actualidade da Lagoa. Assustadoramente foi visto, há algumas semanas, um camião a despejar, em terrenos com pinheiros mansos junto a algumas moradias situadas na AUGI 13, o que parecem ser lamas de alguma fábrica da região. Essa mesma “pasta” ainda por lá continua e ninguém sabe se as mesma será ou não tóxica e que com certeza vai poluir os solos e por sua vez as linhas de água.
É desta forma que chegamos à conclusão que a área pertencente à urbanização necessita que as entidades competentes estejam atentas ao que se passa de forma a prevenir e não remediar os problemas. Claramente me parece, que faz todo o sentido a abertura de um posto da GNR na Lagoa que sirva a população e que controle mais de perto estas situações e não só. Aliás, ultimamente têm existido alguns assaltos a moradias, pois como sabemos, durante a semana assiste-se a uma desertificação da Lagoa o que leva os amigos do alheio a actuar com frequência e tranquilidade. Se existisse policiamento, naturalmente que estas situações não aconteciam tão abundantemente. Todavia, a altura dos muros que protegem as moradias, também, influencia positivamente a acção dos ladrões, pois os mesmos não podem ser superiores a 1,40m já com rede incluída e sem arestas pontiagudas (não vá aleijar algum ladrão...) por imposição da Câmara. Finalmente, apelo a todos os leitores e amigos da Lagoa que visitem o site
www.lagoaalbufeira.blogspot.com para dessa forma participarem activamente naquilo que se faz de bem e mal nesta região. É aqui que poderão divulgar as vossas ideias e opiniões com o objectivo de melhorar este paraíso que temos a sorte de conhecer e preservar!

4 comentários:

Epa disse...

Caro Amigo,
Não sei porque reclama a altura dos muros 1,40m ja com rede? vejamos se o record do salto em altura é 2,05m, o ladrão ja tem que ser bom. Não esqueça que a largura das ruas têm que ter as mesmas medidas da rua da Camara de Sesimbra 9 metros!ou outras que agora não me quero lembrar!!só na Lagoa. Mas se quer uma protecção superior para a sua casa terá de ir morar para Alfarim, Meco, Aiana ou Quinta do Conde aí os muros devem pertencer a outra Camara por conseguinte, podem ter altura superior, e não estão mais casas legalizadas na Lagoa,não é pela altura dos muros, é porque a Camara não... precisa de dinheiro,basta a contribuição que cada um paga pelo terreno, aqueles que pagam, porque muitos também nem isso pagam.Para a próxima falo-vos dos fiscais...da areia.
Epa

Anónimo disse...

Continuando

Pois o amigo comenta a largura da rua da Camara, pois devia visitar a amormalidade que se esta a fazer na augi1, avenidas para aceleras corte indiscriminado de pinheiros
derrube de muros e outras aberracoes.
quem esta a lucrar

Anónimo disse...

ESTREIA-DEBATE NO CINE-TEATRO MUNICIPAL JOÃO MOTA

O FILME PORTUGUÊS
"WAITING FOR EUROPE"
VAI ESTREAR EM SESIMBRA
A 16 DE JUNHO,
PELAS 21.00 Horas
COM A PRESENÇA DA REALIZADORA CHRISTINE REEH


O filme português “Waiting for Europe”, realizado por Christine Reeh e produzido pela C.R.I.M Produções, vai ter uma estreia-debate, com a presença da realizadora, em Sesimbra, no Cine-Teatro Municipal João Mota, dia 16 de Junho, ás 21.00 horas, com o apoio da Câmara Municipal de Sesimbra.

Participam no painel-debate, para além da realizadora Christine Reeh, o Dr. Rui Marques, Alto Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas, a Dra. Inês Fontinha, Secretária Geral do Ninho, a Dra. Eva Bacelar, da Procuradoria Geral da República e Presidente da Secção Portuguesa do Congresso dos Antigos Funcionários da União Europeia, a Dra. Marina Kolarova, da Associação Portugal-Bulgari, o Prof. Jorge Malheiros, da Faculdade de Letras de Lisboa e a Dra. Maria Cristina Santinho, do ISCTE.

A C.R.I.M Produções, abriu um concurso de crítica ao filme, aberto a estudantes do ensino secundário e superior, e o Banco Espirito Santo, abriu um concurso de crítica ao filme, para imigrantes.

“Waiting for Europe” (À Espera da Europa”), ganhou o Best International Documentary no Festival "The New York International Independent Film and Video Festival" (apresentação de Los Angeles) e está seleccionado para a competição em Nova Iorque, em Julho, e, também para a competição do European Documentary Film Contest (Huesca).




O filme rodado em Lisboa, Alcalá de Henares, Sofia e Blavoegrado, acompanhou durante dois anos, Vânia, uma imigrante do leste europeu em Portugal e Espanha. Trata-se de um retrato intimista sobre a imigração feminina.


“Waiting for Europe”, rodado em três países, Portugal, Espanha e Bulgária, foi produzido com o apoio do Instituto de Cinema, Audiovisual e Multimedia (ICAM), da RTP, do Ministério da Cultura, dos Médicos do Mundo, da Universidade de Alcalá de Henares , da Universidade Fernando Pessoa, da Câmara Municipal de Blavoegrado, do Instituto de Cinema Búlgaro, da PROFILM (Bulgária) e da Associação Aibebalcan em Espanha.


O ACIME (Alto Comissariado para a imigração e Minorias Étnicas), o Banco BES (www.bes.pt /novos residentes), a Federação Portuguesa dos Cineclubes, Associação Bulgari, e as câmaras municipais, colaboram nas estreias-debate a realizar em Portugal.
A Universidade de Alcalá de Henares, vai promover um conjunto de estreias-debate do “Waiting for Europe, em colaboração com outras Universidades espanholas.


As últimas estreias-debate do filme, foram realizadas, no Auditório da Faculdade de Ciências Socias e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Centro de Estudos de Migrações e Minorias Étnicas) a 3 de Maio, em Monção a 27 de Abril, em Vila Real de Santo António, no Centro Cultural António Aleixo, a 26 de Maio.

O filme foi ainda estreado no Luxemburgo, a 8 de Maio, na Cinemateca de Luxemburgo, numa iniciativa conjunta da ASTI (Association de Soutien aux Travailleurs Immigrés) e da Cidade de Luxemburgo, com o apoio das duas centrais sindicais, da Associação de Amigos do 25 de Abril e ainda de associações de imigrantes portuguesas e búlgaras.


A revista "Cinema" da Federação Portuguesa dos Cineclubes, na sua edição Abril-Junho, nº37, publica um dossier sobre o "Waiting for Europe", que inclui uma entrevista a Christine Reeh, um artigo de André Martins, uma critica de Marta Mikolajczak, filmóloga polaca e um texto crítico de Paulo Duarte Teixeira, Presidente da Associação Jurídica do Porto e Magistrado Judicial. Na capa, Christine Reeh.




C.R.I.M Produções
Telf./Fax.218463284
Tm.918719003
crimproductions@netcabo.pt

Anónimo disse...

CONCURSO DE CRÍTICA AO FILME
“ WAITING FOR EUROPE”
“À ESPERA DA EUROPA”




A C.R.I.M Produções decidiu abrir um concurso de crítica ao filme “Waiting for Europe”(À Espera da Europa), filme documentário criativo que aborda a problemática da imigração do Leste Europeu para Portugal e Espanha, aberto a estudantes do ensino secundário e superior com o objectivo de estimular a crítica de cinema entre estudantes.
O filme vai ser estreado em diversas localidades do País até Setembro de 2007. Os estudantes dessas localidades estão convidados a assistir ao filme (com entrada gratuita) e poderão remeter as suas críticas até 30 de Setembro de 2007.
As melhores críticas serão publicadas na página (www.waitingforeurope.net) ou na imprensa.


REGULAMENTO

1. Todos os estudantes interessados em participar no concurso de crítica “Waiting for Europe”, estão convidados(entrada gratuita) a assistir ás estreias-debate com a presença da realizadora Christine Reeh.

2. As críticas ao filme podem ser remetidas para crimproductions@netcabo.pt e devem ter no máximo 3000 caracteres. Devem ser assinadas por pseudónimo, embora os concorrentes remetam paralelamente pelo correio para Crim Produções, Av. Almirante Reis, nº221, 1º Esqº- 1000-049, Lisboa. O texto impresso em A4, acompanhado de um envelope fechado que contenha, o nome do concorrente, o nome da sua escola, o seu nº de bilhete de identidade, a sua morada e um número de telefone ou telemóvel. Só serão aceites em concurso as críticas enviadas nestas condições e remetidas até 30 de Setembro de 2007.

3. O júri do concurso será constituido por um representante da C.R.I.M Produções, uma personalidade de reconhecido valor da cultura portuguesa e será presidido por um crítico de cinema da imprensa diária.

4. O concurso atribuirá um primeiro prémio no valor de 500 euros para a melhor crítica concorrente e um dvd com a série de 4 filmes “Outros sonhos” da realizadora Christine Reeh.

5. O concurso atribuirá ainda 20 segundos prémios que consistirão na oferta de um Dvd do Filme “Waiting for Europe”(À Espera da Europa)

6. O resultado do concurso será anunciado após a reunião do júri em 20 de Dezembro de 2007.

7. As críticas enviadas serão publicadas, pela ordem e pela data de entrada, com pseudónimo na página (www.waitingforeurope.net). A partir do anúncio dos resultados do concurso, as críticas serão publicadas com o nome do autor, salvo se houver indicação em contrário.

8. A organização do concurso publicará todas as críticas desde que mantenham padrões minímos de qualidade.